A TARDE On Line*

Reginaldo Pereira | Ag. A TARDE

Farmácia foi fechada pela Anvisa por estar em situação irregular

Farmácia foi fechada pela Anvisa por estar em situação irregular

Agentes do Núcleo de Operações Especiais da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e fiscais da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) fecharam até o final da manhã desta quinta-feira, 2, onze farmácias suspeitas de operarem em situação irregular na cidade de Feira de Santana (a 109 km de Salvador). Na quarta-feira, o órgão interditou 14 estabelecimentos e prendeu um dono de farmácia na cidade.

Segundo informações da PRF, além do registro de falta de higiene e falta de licença da Anvisa, os policiais apreenderam cerca de 1.500 caixas de medicamentos controlados diversos. Entre as apreensões estão unidades de anabolizantes, estimulantes sexuais e Unidiazepax, utilizado para tratamento de insônia e convulsões.

A intervenção, que em Feira de Santana é apoiada pelo Conselho Regional de Farmácia e Secretaria Municipal de Saúde, tem como objetivo tirar do mercado medicamentos clandestinos, contrabandeados, falsificados e sem registros, ou aqueles que seriam desviados para ser vendidos nas rodovias federais do país, além de impedir o funcionamento de farmácias irregulares. 

A operação do órgão na Bahia teve início na última segunda-feira, 30, segundo informações do chefe de segurança institucional da Anvisa, Adilson Bezerra. As ações tiveram início no município de Angical, onde dois estabelecimentos foram interditados, em seguida foi a vez de Barreiras, que teve uma farmácia fechada. Já em Cruz das Almas, foram oito interdições e quatro prisões, dentre elas a do vereador conhecido como Nego da Farmácia, que vendia anabolizantes clandestinamente.

Os donos das farmácias autuadas responderão a processo administrativo sanitário e podem sofrer multas que variam entre R$ 1.500 e R$ 1.500 milhão. Além disso, serão indiciados criminalmente por tráfico de entorpecentes, podendo pegar de cinco a 15 anos de detenção, e por crime contra a saúde pública, com pena que varia de 10 a 15 anos de prisão.

Em 2010, foram realizadas 40 operações como esta em todo o país, computando 230 prisões em flagrante e apreensão de mais de 80 toneladas de medicamentos clandestinos.


*Com informações de Jamile Amine, da Sucursal de Feira de Santana.