da Folha

O Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, decidiu nesta quarta-feira (1º) manter a taxa básica de juros (a Selic) em 10,75% ao ano, após três altas seguidas.

Com isso, a taxa fica no mesmo patamar da última reunião do Copom, no dia 21 de julho, e segue sendo a maior desde março do ano passado, quando estava em 11,25%. A decisão foi unânime entre os integrantes do Copom.

Com a manutenção da taxa, o Brasil continua com os maiores juros reais do mundo. Os juros reais descontam a inflação projetada para os próximos 12 meses.

Fazendo essa conta, os juros básicos no Brasil ficam em 5,6% ao ano. Em segundo, vem a África do Sul, com taxa real de 2,2%. Em terceiro, está a Rússia, com 2,1%.

JUROS REAIS EM PAÍSES SELECIONADOS
(Descontada a inflação)

País Taxa
1º – Brasil 5,6%
2º – África do Sul 2,2%
3º – Rússia 2,1%
38º – Grécia -4,3%
39º – Índia -8,1%
40º – Venezuela -9,6%
  • Fontes: Jason Vieira/Thiago Davino

Os dados sobre juros reais são coletados pelo analista internacional da Apregoa.com – Cruzeiro do Sul, Jason Vieira, com a colaboração do analista de mercado da Weisul Agrícola, Thiago Davino.

A pesquisa de juros reais não inclui todos os países do mundo, mas 40 economias relevantes. O país com menor taxa nesse ranking é a Venezuela, com -9,6% de juros reais ao ano.

A próxima reunião do Copom será realizada nos dias 19 e 20 de outubro.

Impacto para as pessoas

A Selic é a taxa básica de juros. Ela baliza os juros cobrados quando se parcela uma compra ou se pede dinheiro emprestado no banco. Se os juros básicos aumentam, as lojas fazem o mesmo com o crediário.

Os juros são usados como política monetária pelo governo para conter a inflação. Com juros altos, as prestações ficam mais caras e as pessoas compram menos, o que restringe o aumento dos preços.

No caso de elevação dos juros, o receio do governo é que haja muitas compras, e as indústrias não consigam produzir o suficiente. Quando isso acontece, há falta de produtos no mercado, e os que existem ficam mais caros.

Um aspecto positivo dos juros altos é que eles remuneram melhor as aplicações. Isso é bom para os investidores brasileiros e também para os estrangeiros, que procuram o país. Quando alguém investe em fundos ou títulos, recebe mais rendimentos por mês se os juros estiverem mais altos.

Por outro lado, os juros altos prejudicam as empresas, que ficam mais cuidadosas para tomar empréstimos e fazer expansões. Por causa disso, o emprego também não cresce tanto. É em razão desse efeito que os empresários reclamam contra os juros altos.

O Copom foi instituído em junho de 1996 para estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa de juros.

O colegiado que tem direito a voto é formado por oito integrantes: o presidente do BC, Henrique Meirelles, e mais os diretores das seguintes áreas: Política Monetária, Normas e Organização do Sistema Financeiro, Fiscalização, Administração, Liquidações e Controle de Operações do Crédito Rural, Política Econômica, e Assuntos Internacionais.