do Estadão | globo.com

Governador não acredita em nova onda de ataques do PCC.

Um dos dois suspeitos de atirar na madrugada de hoje contra o prédio das Rondas Ostensivas Tobias Aguiar (Rota), na região central de São Paulo, e que faleceu após troca de tiros com policiais militares, já havia sido preso anteriormente, segundo a Polícia Militar (PM). O homem, de 33 anos, já havia cumprido pena por roubo e lesão corporal e havia saído da cadeia em fevereiro. A polícia ainda não tem informações se o suspeito teria ligações com alguma facção criminosa.

O quartel da Rota foi atacado por volta das 3h15 de hoje. Segundo policiais da delegacia onde o caso foi registrado, os PMs foram avisados que teria um carro suspeito parado em um rua lateral ao prédio da Rota.

Ao chegarem no local, os policiais encontraram um dos suspeitos atirando contra uma janela do edifício. O outro suspeito estava dentro do carro e fugiu. Com a troca de tiros, o homem foi atingido e levado para o pronto-socorro de Santana, onde faleceu. Foram apreendidos uma arma e um coquetel molotov. O governador do Estado, Alberto Goldman, descartou uma nova onda de atentados por parte do PCC depois dos ataques contra a Rota e à casa de um membro da corporação. As declarações foram feitas à Radio Jovem Pan.