do A Tarde

 No bairro Piranga II, em Juazeiro, grandes poças de água do esgoto dificultam a passagem dos ônibus

Os graves problemas enfrentados por usuários do transporte coletivo em diversas regiões do interior do Estado mostram profundo atraso dos municípios na oferta do serviço, essencial para o funcionamento dos centros urbanos e a integração com as zonas rurais. Em Santo Antônio de Jesus, por exemplo, sequer há transporte coletivo. A demanda é suprida por vans e topics, que não são regulamentadas, mas são toleradas pela prefeitura porque o governo municipal não dispõe de frota própria. Em Feira de Santana, Juazeiro, Vitória da Conquista, Barreiras, Itabuna e Eunápolis a população se queixa do desconforto, da superlotação, dos atrasos nos horários e da insegurança. A reportagem presenta na edição deste domingo, 25, a realidade dessas regiões, situação semelhante à de centenas de municípios.

Em Feira de Santana, os passageiros se queixam do desconforto, da superlotação dos veículos e por esperar demais nos pontos. Os motoristas reclamam do trânsito e das ruas esburacadas. Ninguém está satisfeito com o transporte coletivo e a má qualidade do serviço faz com que os usuários recorram a outros meios. A prefeitura formalizou, em 1997, o transporte em vans. Em 2001, foi a vez do transporte de passageiros em motos ser legalizado. Além destes, existem os motoboys clandestinos e os carros particulares que transportam gente sem autorização.

 

Mesmo preferindo o ônibus, que considera mais seguro, a vendedora Ene Tereza Lemos admite que usa com frequência o serviço dos carros clandestinos, para ir do bairro Viveiros, onde mora, para o trabalho. “A gente espera. O ônibus não vem, é obrigado a pegar o que passar. E o ônibus, na maioria das vezes, só passa lotado”.

Os clandestinos cobram o mesmo valor para fazer a viagem de carro. Mas o trajeto pode virar uma corrida de aventura, fugindo da fiscalização municipal. O carregador Roseval de Jesus mora na zona rural, no distrito Matinha. As queixas são as mesmas de quem vive na cidade. “Tem atraso de até 50 minutos, o ônibus só anda lotado e quebra muito”, relata.

A prefeitura vem exigindo das empresas a renovação da frota e desde o início do atual governo foram incorporados 50 novos ônibus e aposentados 10. É o que diz o secretário de Transportes e Trânsito Flailton Frankles. “A ideia é que ao final do mandato toda a frota tenha sido trocada, com exceção dos carros mais novos”, assinala.