André Rigue – estadão.com.br

SÃO PAULO – Durante lançamento do novo uniforme do Palmeiras para a temporada, o presidente do clube alviverde, Luiz Gonzaga Belluzzo, confirmou ter recebido um contato, do comitê paulista para a Copa 2014, para passar informações sobre a Arena Palestra Itália, que será construída até o final de 2012, com capacidade para 45 mil torcedores.

André Rigue/estadão.com.br
André Rigue/estadão.com.br
Belluzzo diz que Palestra não tem projeto para receber a abertura da Copa do Mundo de 2014

A cidade de São Paulo ainda não definiu seu estádio para a Copa. Inicialmente, o Morumbi era a opção, mas acabou descartado pela Fifa. Cogitou-se a ideia da construção de um estádio em Pirituba, e até mesmo da reforma do Pacaembu. Porém, nenhum projeto oficial ainda foi apresentado. E São Paulo sofre pressão da Fifa para definir o seu estádio – a cidade corre o risco de perder a abertura do Mundial para o Maracanã.

A Arena Palestra Itália, no entanto, só seria utilizada para jogos na primeira fase ou partidas das oitavas de final. O estádio palmeirense não tem capacidade para receber uma abertura – a Fifa exige 60 mil lugares para o primeiro jogo do Mundial.

“O Palmeiras apenas passou as informações solicitadas pelo comitê. Não é o clube que constrói um estádio para o Mundial. Isso fica por conta do comitê. O que o Palmeiras fez foi unicamente colocar o estádio à disposição para jogos da primeira fase. Sabemos que a Arena não tem capacidade para receber a abertura”, destacou Belluzzo.

O presidente do Palmeiras, no entanto, não perdeu a chance de dar uma alfineta na utilização de dinheiro público para possíveis obras. De acordo com Belluzzo, o Brasil precisa ter cuidado para não criar “elefantes brancos”. “Temos o exemplo da Eurocopa em Portugal, onde quatro estádios estão abandonados. Até a África do Sul não sabe o que fazer com muitos estádios da Copa”, explicou.

O governador do Estado, Alberto Goldman, e o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, devem se reunir com Ricardo Teixeira para definir a sede para a Copa. Teixeira e a Fifa fazem pressão para que um novo campo seja construído para a abertura. Os governantes paulistas são contra e esperam por investidores privados.

O assunto da sede de São Paulo para a Copa se transformou num grande problema político. Até o presidente Lula entrou na briga e fez críticas a Teixeira. Lula não gostou da exclusão do projeto do Morumbi, e agora cobra uma solução para o impasse – São Paulo é a única das 12 sedes que ainda não tem um estádio definido.