Reuters e Associated Press

Guerra. Todos os mortos deste ataque eram Sahwa, que são combatentes sunitas que alguma vez foram aliados da Al-Qaeda

 Um suicida atacou neste domingo, 18, membros de uma milícia sunita apoiada pelo governo enquanto faziam fila esperando seu salário na sudoeste de Bagdá, matando 48 pessoas e ferindo outras 52, disseram fontes de segurança do Iraque.

A explosão nos arredores de uma base militar iraquiana no distrito sunita de Radwaniya ocorreu enquanto continua uma paralisia política no país depois das eleições de março que não mostraram um ganhador claro e que tem dificultado a formação de um novo governo.

Insurgentes sunitas relacionados com a Al-Qaeda tem buscando aproveitar o vazio político criado pelo fracasso nas facções sunitas, xiitas e curdas de acordar uma coalizão com o governo, e tem realizado uma série de ataques desde a votação.

Na explosão deste domingo, o suicida com bomba se imolou em meio a milicianos “Sahwa”, combatentes sunitas que alguma vez foram aliados da Al-Qaeda e que se voltaram contra o grupo islâmico em 2006/07, ajudando as forças dos Estados Unidos a mudar o curso da guerra.

Todos os mortos eram Sahwa e havia dois soldados entre os feridos, disse uma fonte do Ministério do Interior.

A guerra sectária entre os alguma vez dominantes sunitas e a maioria xiita que começou depois da invasão liderada pelos Estados Unidos em 2003 desapareceu em grande parte, mas ainda persiste uma teimosa insurgência sunita.

O Exército norte-americano tem adotado um rol cada vez menor de soldados desde que retirou dos centros urbanos do Iraque em junho do ano passado e as suas tropas terminarão suas operações de combate em 31 de agosto, antes da retirada completa no próximo ano.