Glauco Wanderley l Sucursal do A Tarde em Feira de Santana

Após um mês na fila esperando por uma cirurgia gratuita pelo SUS, a auxiliar de serviços gerais Valdelice Ramos Pereira entrou finalmente nesta quinta-feira, 8, na sala de cirurgia do hospital Casa de Saúde Santana. Mas, para isso, precisou pagar R$ 2 mil. Isso porque os anestesistas que atendem pelo SUS em Feira de Santana estão em greve há 32 dias e só atuam nos casos considerados de emergência, ou seja, quando há risco iminente de morte do paciente. Valdelice tem varizes e as veias estouraram.

“Ela passou um mês sofrendo enquanto a família tentava reunir o dinheiro”, conta a irmã Isabel Ramos, acompanhante no hospital. Com o movimento dos anestesistas, entre três e quatro mil cirurgias consideradas eletivas deixaram de ser feitas pelo SUS em Feira de Santana, de acordo com o secretário da Saúde, Rafael Cordeiro.

Os pacientes que não aguentam esperar tentam conseguir o dinheiro para fazer a cirurgia, pagando a equipe médica, equipamentos, remédios e internação do próprio bolso. O lavrador José Nilton de Oliveira é um deles. Caiu do cavalo na zona rural de Teofilândia, na região de Feira de Santana, e quebrou o braço. Com o membro enfaixado, ele se queixa das dores e do fato de não estar podendo trabalhar desde o acidente, há 15 dias. Ganha R$ 20 por dia quando encontra trabalho para fazer na roça. Mas precisou pegar emprestados R$ 1.700 para pagar a cirurgia, também marcada para esta quinta. O equivalente a quase 90 dias de trabalho.

Salário – Os anestesistas estão em greve porque querem aumento de salário, já que os valores pagos pela tabela do SUS são considerados muito baixos. São R$ 14,90 em uma cirurgia de hérnia, R$ 30,95 em fratura de clavícula e R$ 74,54, o valor máximo, em cirurgia de fêmur.

O secretário de Saúde, Rafael Cordeiro, diz que, se não houver um acordo, a prefeitura deve implantar um serviço próprio de anestesia, fazer licitação para prestação do serviço ou concurso público para integrar anestesistas. Enquanto isso, apenas emergências são atendidas.