ministerio sem fronteiras


Qual nome você daria ao novo aeroporto de Vitória da Conquista?

Resultados

Loading ... Loading ...
junho 2010
D S T Q Q S S
« mai   jul »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  


Torre Empreendimentos é condenada por superfaturamento de obras em Sergipe


Denúncia do MPF/SE apontou desvio na ordem de R$ 300 mil em obras de drenagem e pavimentação de ruas em Aracaju, pela empresa, que também é acusada de ‘maquiar planilha’ para vencer licitação

 do Pura Política

 

Torre Empreendimentos é a empresa responsável pela coleta de lixo em Vitória da Conquista . Foto: PMVC

A empresa Torre Empreendimentos Rural e Construção Ltda e mais seis pessoas foram condenadas pela Justiça Federal por improbidade administrativa, após ação movida pelo Ministério Público Federal em Sergipe (MPF/SE). Os réus foram responsabilizados pelo superfaturamento na execução do contrato de obras de drenagem e pavimentação de ruas em Aracaju, que resultou em um prejuízo aos cofres públicos de quase R$ 300 mil. Acatando o pedido do MPF/SE, o juiz Federal substituto da 3ª Vara, Rafael Soares Souza, condenou a Torre a ressarcir R$ 288.151,00, além do pagamento de multa correspondente a duas vezes o valor do dano e proibição de contratar com o Poder Público pelo prazo de dez anos.

 

A Torre foi condenada ainda à perda de todos os bens acrescidos ilicitamente ao seu patrimônio com o superfaturamento dessas obras.

Na sentença, também foram condenados às mesmas penas os sócios José Antônio Torres Neto e Soraya Machado Torres dos Santos, o procurador da empresa Torre em Sergipe, José Carlos Dias da Silva, além do ex-diretor de Obras e Habitação, o ex-presidente e o engenheiro da Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb), Hoover Passos Barreto, Roberto Bispo de Lima e José Heleno dos Santos. Este último foi condenado, ainda, ao pagamento de R$ 14.179,00.

Superfaturamento – Na ação, o MPF/SE esclarece que, após convênio firmado com o Ministério do Planejamento e Orçamento, foi repassado ao município de Aracaju o valor de R$ 1 milhão para obras de recuperação da infra-estrutura urbana. Em novo convênio, o município de Aracaju passou para a Emurb a obrigação de licitar e executar as obras, sendo que a vencedora da licitação foi a Torre. Antes da homologação da concorrência, a Torre foi chamada para reduzir alguns preços unitários que, segundo a Emurb, estavam acima dos valores de mercado.

A Torre então apresentou uma nova planilha, posteriormente aceita pela empresa municipal. Entretanto, um relatório de fiscalização do Tribunal de Contas da União (TCU) enviado ao MPF/SE, constatou que houve graves irregularidades no processo licitatório. A Torre utilizou-se de um artifício conhecido como “jogada de planilha” para vencer a concorrência e, posteriormente, superfaturar a execução do contrato das obras. Na “jogada de planilha”, a empresa estabeleceu preços bem abaixo do normal para alguns itens da licitação e preços superfaturados para outros.

A baixa dos preços nos quantitativos maiores acabou por garantir a vitória da Torre na licitação. Após o contrato, foram feitos vários aditivos para diminuir as quantidades dos itens mais baixos, enquanto a quantidade dos itens excessivamente caros sofreu um aumento ainda mais significativo.Para se ter uma idéia, o item bombeamento índice de superfaturamento de 716,3%.

O superfaturamento atingiu, ainda, itens como escavação manual de vala, aterro em areia, reaterro compactado e eliminação do material da obra. A condenação dos réus ainda não é definitiva e todos entraram com recursos para o Tribunal Regional Federal da 5ª Região, com sede em Recife, mas o MPF/SE já apresentou as contrarrazões aos recursos apresentados, requerendo a manutenção, na íntegra, da sentença proferida.

Em Aracaju, Torre demonstra desrespeito aos empregados

Um gari da empresa Torre morreu após ter a sua perna decepada na colisão de um Corsa com o caminhão coletor da empresa. O funcionário Everaldo dos Santos Nascimento, que trabalhava na empresa Torre que faz a coleta de lixo em Aracaju (Sergipe), se acidentou e logo veio a óbito – após ter a perna esquerda decepada.

O acidente ocorreu na avenida Visconde de Maracajú, quando um veículo e um caminhão coletor da Torre (empresa responsável pela coleta de lixo de Aracaju), se envolveram num acidente. Na colisão, o gari Everaldo, que fazia a coleta do lixo, teve a perna esquerda decepada após ficar preso entre a estrutura do caminhão coletor (placa HZS-8091) e do veículo Corsa (placa IAG-1889). Do local do acidente o gari Everaldo foi levando até a ambulância do Samu, onde começou a receber os primeiros socorros. Além dele, o motorista do táxi de lotação e os passageiros do veículo também se feriram no acidente. No momento do acidente, o caminhão coletor estaria estacionado ao lado de um canal na avenida Visconde de Maracajú, quando foi atingido por um táxi, modelo Corsa. Com o impacto da colisão, o funcionário da empresa de lixo, que estaria descendo do caminhão, teve a perna esquerda decepada. A vítima que foi socorrida pelo Serviço Móvel de Urgência (Samu) e encaminhado ao Hospital de Urgência João Alves Filho, acabou morrendo. A imprudência daqueles que não respeitam os limites da velocidade acabam levando a vida de outras pessoas. O gari Everaldo deixa 2 filhos e a mulher.

Segundo uma fonte “a Torre não deu assistência a família do funcionário, e nem deu nenhuma ajuda funeral”. Segundo a mesma fonte, “a empresa está envolvida em esquemas de licitações fraudulentas no estado de Sergipe e vem sendo investigada por irregularidades em contratos em vários municípios de Sergipe e em outros estados”, disse ao fonte ao Pura Política.

2 respostas para “Torre Empreendimentos é condenada por superfaturamento de obras em Sergipe”

  • pericles disse:

    eu entrei na justiça do trabalho contra a TORRE,E GANHEI A CAUSA…rsrrsrsrs..

  • sangreson mendes disse:

    bom trabalhei nesse empresa, como apontador e incrivelmente nunca vi uma empresa considerada grande porte ter tantas dificuldades em ser honesta,modesta e oganizada, onde esses fatores sao os principais pontos aos quais ela tem de errado, trabalhei alguns meses sem se quer assinarem minha carteira, que pra o ministerio do trabalho ja é uma anormalidade, depois so pelo motivo de um encarregado que ao menos nem estudo tem para assumir um cargo desse me coloca pra fora,com minha carteira apenas um mes de assinada, nossa e to ate hoje sem acertar , sem dar baixa na carteira e supostamente ainda sem receber, é muito desorganizada e precisa olhar pra esses defeitos que a vista dos donos talvez ainda nao esteja, porem vou procurar todos os meus direitos e com certeza buscar a melhor forma de receber tudo ao qual tenho direito.

Deixe seu comentário

Spam Protection by WP-SpamFree



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia