do Terra

A hipertensão arterial deixou de ser uma exclusividade dos adultos. O chamado estilo de vida moderno, caracterizado pelo sedentarismo e hábitos alimentares inadequados, estaria levando crianças e adolescentes a desenvolverem a doença. Estima-se que entre 3% e 5% desse grupo sejam portadores de pressão alta.

Citado pela edição de 18 de junho do programa Globo Repórter, da TV Globo, um estudo feito em escolas da Zona Norte do Rio por médicos da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) constatou que as consequências da hipertensão, que se manifestam na idade adulta, já dão sinais quando os pacientes são bem jovens. “Hoje a gente sabe que as doenças do coração têm origem na infância”, declarou ao programa a cardiologista Andréa Brandão, da UERJ.

De acordo com os especialistas, a pressão arterial deve ser avaliada em toda a consulta médica já a partir dos 3 anos de idade. Nas crianças abaixo dessa faixa, o procedimento também deve ser seguido quando houver antecedentes ou condições clínicas de risco para a hipertensão, como a prematuridade e as doenças renais.

O valor normal da pressão arterial em crianças e adolescentes baseia-se em percentis que levam em conta a estatura e o sexo do paciente. Portanto, não existe um limite único de normalidade da pressão para crianças e adolescentes, como o 12 por 8 em adultos. O ideal, então, é que entre os mais jovens esse limite seja estabelecido pelo médico, caso a caso.