O presidente da ASSECONTI, Renan Silva de Jesus, empresário conceituado, no segmento imobiliário, em Vitória da Conquista, concedeu uma entrevista exclusiva ao Blog do Wal Cordeiro, para que os internautas possam conhecer a ASSECONTI, um projeto inovador idealizado por ele, com o objetivo social de defender os mais carentes e promover a Justiça e Direito de todos. 

 BLOG DO WAL CORDEIRO: O Que é ASSECONTI?

RENAN SILVA: Como o próprio nome sugere, é uma associação de defesa dos direitos do consumidor, do trabalhador e do idoso. Nosso trabalho consiste em inclusão social e na apropriação do sentimento de cidadania por meio do acesso gratuito a justiça.

 BLOG DO WAL CORDEIRO: Qual o público alvo da instituição?

RENAN SILVA: Nosso público, como foi dito antes, é o consumidor, de um modo geral, o trabalhador e o idoso. Enfim, praticamente toda a comunidade, haja vista que todos nós, ainda que forneçamos produtos ou serviços, em uma extremidade, na outra somos consumidores. Da mesma maneira, quem faz parte da população economicamente ativa, é trabalhador e por último, todos nós, se ainda não somos idosos, certamente temos um ente querido que já está nessa faixa etária. É importante salientarmos que nosso trabalho é voltado para aquele indivíduo que, independentemente de qual das três categorias ele se encaixe, não tenha conhecimento dos seus direitos e, principalmente, não pode pagar por uma assistência jurídica digna.

 BLOG DO WAL CORDEIRO: O que o levou a implantar um projeto de acessoria jurídica aos menos assistidos pela justiça?

RENAN SILVA: Na verdade, procuramos assistir àqueles desassistidos pelo estado, pela sociedade e, ás vezes, até mesmo pela sorte. Como já desenvolvemos trabalho semelhante através da OSCIP Amigo Social, da qual configuro como Vice-Presidente, e concedemos um dia de atendimento jurídico gratuito para os munícipes das cidades com as quais temos parcerias, pudemos perceber a grande demanda por esse tipo de assistência. Pudemos perceber a carência das pessoas por informação, assistência, atitude, enfim, por justiça. E por último, mas não menos importante, em conjunto com os parceiros da jornada empresarial, entendemos que nós, empresários, não podemos simplesmente fechar os olhos ou virar as costas para os problemas sociais que, há muito, estão incrustados em nossa sociedade. Não podemos ver tamanha disparidade, com indiferença, sem nos espantarmos, sem tomarmos uma atitude, sem procurarmos dar nosso quinhão de contribuição na tentativa de mitigar as diferenças sociais, no sentido de tornar nossa sociedade mais justa, equânime e mais “humana”.  

 BLOG DO WAL CORDEIRO: Existe, na Bahia, algum outro projeto com a mesma filosofia de trabalho?

RENAN SILVA: Que tenhamos conhecimento, não há nenhum outro serviço semelhante ao da ASSECONTI. Procuramos sempre ressaltar os relevantes serviços prestados pela Defensoria Pública e os núcleos de direito das faculdades públicas e particulares cujos serviços, de alguma maneira, se assemelham ao nosso trabalho. Entretanto, lembramos que a Defensoria Pública é um ente do Estado e, portanto, por ele mantido. Da mesma maneira as faculdades públicas com seus respectivos núcleos de direito. Apenas os núcleos de direito das faculdades particulares são mantidos pela iniciativa privada, porém, a conotação do trabalho é empresarial e tem a finalidade precípua de treinar os seus alunos, sendo, inclusive, uma exigência curricular. Já nossa instituição é uma manifestação da sociedade civil. Também por ela mantida. Não há fomento ou ingerência por parte do estado. Costumo dizer que a ASSECONTI é um marco, um divisor de águas na maneira de se fazer filantropia e trabalho social em Vitória da Conquista, e um exemplo a ser seguido.  

 BLOG DO WAL CORDEIRO: Quais são os resultados, práticos, alcançados pela ASSECONTI em seu primeiro ano de atuação?

RENAN SILVA: Sabemos que tanto a Defensoria Pública quanto os núcleos das faculdades de direito estão estrangulados com tanta demanda, sabemos ainda que a atuação desses órgãos tem algumas limitações no que diz respeito a alguns tipos de ações, nas quais eles não podem assistir o cidadão. Então é nessa lacuna que surge a ASSECONTI, como uma solução viável, palpável e, o mais importante, gratuita para os cidadãos e a Sociedade como um todo. Nesse primeiro ano de existência já atendemos e associamos centenas de pessoas, elucidamos dúvidas, orientamos e quando necessário, ingressamos em juízo, procurando atender aos anseios de nossos associados. Nesse período, tivemos algumas vitórias importantes em favor de nossos associados, acordos, liminares e sentenças que os favoreceram e servem como resposta ao nosso trabalho. 

 BLOG DO WAL CORDEIRO: Qual o objetivo da ASSECONTI ao realizar o “Dia de Atitude Social” nas praças de Vitória da Conquista?

RENAN SILVA: Como disse anteriormente, a ASSECONTI foi pensada no sentido de diminuir, de mitigar as diferenças, as distorções sociais. Nesse sentido, o Dia da Atitude Social é uma espécie de chamamento à sociedade. É um momento no qual podemos refletir sobre o que está acontecendo no seio de nossa sociedade e de que maneira podemos contribuir para tornarmos a sociedade mais justa e o sentimento de cidadania mais presente e forte. É também uma oportunidade de levarmos a ASSECONTI até as pessoas, haja vista que mesmo depois de um ano de trabalho, muita gente não conhece ainda a instituição, portanto, podemos concluir que ainda há muito a ser feito.

 BLOG DO WAL CORDEIRO: Quantas pessoas já foram atendidas pelo projeto?

RENAN SILVA: Nós realizamos o projeto em duas ocasiões. A primeira na Praça Nove de Novembro, no centro da cidade, e a segunda no Alto Maron. Aliás, a segunda edição do projeto estava prevista para o bairro Brasil, entretanto, o período de execução do projeto coincidiu com o momento ruim, de desequilíbrio social pelo qual passou o Alto Maron recentemente. Então resolvemos remanejar o projeto do bairro Brasil para o Alto Maron, no sentido de prestarmos nossa solidariedade aos moradores do bairro que teve sua imagem arranhada naquele momento e entendemos que o que ali aconteceu não reflete em nada o bairro e seus moradores que, sabemos, em sua infinita maioria é constituída de gente trabalhadora, que vive do suor do próprio rosto e com muita dignidade. Com relação ao número de pessoas, podemos dizer que nas duas edições do projeto e com a gama de serviços oferecidos como, corte de cabelo, maquiagem, aferição de pressão e glicose, assistência jurídica, brincadeiras infantis, entre outros, foram atendidas entre quinhentas e seiscentas pessoas.

 BLOG DO WAL CORDEIRO: Como e o que fazer para se associar à ASSECONTI?

RENAN SILVA: É super simples, você que porventura tem alguma dúvida sobre seus direitos ou que entende que está sendo lesado no seu direito, nos procure em nossa sede, que fica na Rua Maximiliano Fernandes, no centro da cidade, no prédio do antigo hotel Albatroz, defronte o banco Bradesco, agência Centro. Em nossa sede você poderá ser atendido por advogados, tirar suas dúvidas, ter seus direitos atendidos se associando a ASSECONTI.

 BLOG DO WAL CORDEIRO: Quais os benefícios que o associado adquiri ao se filiar à ASSECONTI?

RENAN SILVA: O associado poderá usufruir dos serviços oferecidos pela ASSECONTI  gratuitamente. Poderá não só tirar suas dúvidas, fazer consultas, como poderá ingressar em juízo para ter seus direitos atendidos, seja ele trabalhista, do consumidor ou, ainda, um reconhecimento de paternidade ou pensão alimentícia. É só Procurar a ASSECONTI, se filiar e gozar dos benefícios aos quais só o associado tem direito. 

 BLOG DO WAL CORDEIRO: O que você diria para os empresários da cidade que, ainda, não estão envolvidos com algum tipo de projeto social?

RENAN SILVA: Costumo dizer, sempre que requisitado a falar sobre o assunto, que a função social precípua de qualquer empresa é a geração de emprego, riqueza e renda. No Brasil, devido as diferenças sociais, os empresários tem vergonha do lucro, o que é um equívoco. Nós empresários não podemos ter vergonha dos lucros, aliás, as empresas tem que ser rentáveis para que possam expandir, gerando assim a riqueza e a renda necessárias para que as disparidades de nossa pirâmide social sejam eliminadas e  a torne mais equânime. Dito isto, gostaria de salientar que muitas vezes cobramos muito do Estado e esquecemos que um dos pré-requisitos para a existência de um Estado é que haja povo, que somos nós, a sociedade como um todo. Portanto, o Estado somos nós, não pode haver um descolamento, uma independência entre uma coisa e outra. Não podemos agir com indiferença às desgraças alheias. Nós empresários, que detemos, de alguma maneira, o poder de decisão em nossas mãos, temos que encabeçar os movimentos, as ações e as atitudes para que nossa sociedade seja mais igualitária e a cidadania saia mais fortalecida.