A lei que obriga candidatos a motoristas a receber aulas noturnas de direção entrou em vigor há apenas dez dias e já é alvo dos golpistas. A dona de uma autoescola foi presa acusada de criar um sistema em que os alunos não precisavam fazer as aulas.

A autoescola ainda está funcionando, na Vila Mariana, na Zona Sul de São Paulo, mas a dona foi presa por falsidade ideológica, crime sem direito a fiança e que pode resultar em até 5 anos de prisão.

Nas autoescolas, há um computador que pode ser acessado pela internet e que em vez de senha para acesso tem um leitor de digitais. A dona do lugar mandou um funcionário embora e continuou usando os dados dele cadastrados no sistema.

Ela trocou as digitais e com um toque do dedo marcava aulas com um instrutor que não existia. O Detran acredita que elas nunca foram feitas pelos alunos.

Segundo o delegado, o esquema foi descoberto porque o funcionário demitido arrumou outro emprego. Quando ele foi se cadastrar, o sistema acusou que o nome dele estava relacionado às digitais de outra pessoa.

O Detran apreendeu os computadores e investiga a participação dos alunos no esquema de fraude das aulas do período noturno.

“Ele (o aluno) vai responder pela prática do mesmo crime, ou seja, falsidade ideológica. Ele vai ser indiciado em inquérito policial e vai responder juridicamente pela prática desse crime”, disse o delegado do Detran, Wilson Roberto Zampieri, sobre os pretendentes à carteira de habilitação que se utilizaram da fraude. Do G1