da Folha

Uma menina de 11 anos, grávida de gêmeos há sete meses e traumatizada, pode ter sido engravidada pelo padrasto, que está desaparecido. A menina está sendo acompanhada pelo Conselho Tutelar de Santa Luzia, cidade da região metropolitana de Belo Horizonte, há dois meses.

Apesar da gravidez e do desaparecimento do padrasto, a família não fez ocorrência policial nem sequer havia feito exames na criança. Foi uma denúncia anônima de abuso sexual que levou o Conselho Tutelar entrar no caso e agir.

Após a confirmação da gravidez, o Ministério Público foi acionado e a guarda da criança foi dada a um tio da menina, porque a conselheira tutelar Aurete Alcântara Ribeiro considerou que houve negligência por parte da mãe da criança.

As suspeitas recaem sobre o padrasto, de 33 anos, porque ele está desaparecido. A menina não comenta com ninguém quem a engravidou. Quando perguntada, ela chora. Desde segunda-feira a criança está internada em um hospital da zona norte de Belo Horizonte.

“Nos preocupa a saúde e a segurança dela. Ela está fragilizada, não consegue falar sobre o assunto. Não sabermos se houve histórico anterior de abuso sexual”, disse a conselheira.

A polícia abriu inquérito e procura pelo padrasto, que pode ter voltado para o interior da Bahia.