Mais 23 cristãos são “convidados a sair” do país, acusados de proselitismo

 Nova onda de expulsões de cristãos no Marrocos

Menos de seis semanas depois de o embaixador de Marrocos para os Estados Unidos insistir que o governo de seu país não estava reprimindo os estrangeiros cristãos, apesar de uma onda de deportações em março, o governo marroquino “pediu” mais cristãos estrangeiros que saia do Marrocos em maio.
O deputado americano, Frank Wolf disse a membros da Câmara que as autoridades marroquinas emitiram avisos de deportação a 10 estrangeiros na segunda semana de maio.
Um grupo informou que o país Africano tinha notificado 23 ordens de expulsão de estrangeiros desde 10 de maio. Ainda de acordo com eles, dentre os estrangeiros expulsos estavam cristãos e funcionários do governo, eles foram acusados de proselitismo, considerado um crime no Marrocos.

Wolf disse que as expulsões “põe em risco a amizade de longa data” entre os Estados Unidos e da nação islâmica historicamente progressista, e disse que vai co-presidir uma audiência na Câmara sobre a liberdade religiosa em Marrocos em 17 de junho.

Em uma carta a Wolf, Taib Fassi Fihri, um representante do rei de Marrocos, disse que as deportações que começaram em março e incluiu 16 cristãos estrangeiros que trabalham na Vila do orfanato Hope “atividades de proselitismo, única e exclusivamente direcionados.

O oficial disse que as deportações foram devidamente investigadas e denúncias por “pais e parentes próximos das crianças. “Mas, grande parte dos cristãos deportados, disseram que não tinham laços formais com o orfanato e não tinham realizado nenhum trabalho com crianças marroquinas”, afirma o deputado.

Um relatório confirma o receio entre os cristãos marroquinos, uma pequena minoria. O grupo relatou a correspondência de um pastor marroquino perto de Marrakech. “Temos que parar toda a atividade de culto”, disse o pastor. “Estamos com medo que eles nos ataquem se nós estamos em reuniões, portanto, não há reunião”, conclui

Fonte: Persecution