Adriano Villela/ Tribuna da Bahia

 

Pesquisa Vox Populi divulgada na noite de ontem reafirma o governador e candidato a reeleição Jaques Wagner (PT) na primeira colocação, com 41% na pesquisa estimulada e 21% na espontânea. O ex-governador Paulo Souto (DEM) é o segundo, com 32% na estimulada e 9% na espontânea. O ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) continua fora da zona de segundo turno, na 3ª colocação, com 9% e 2%, respectivamente.

 A margem de erro é de 3,5 ponto percentual, para mais ou para menos. Registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TER) desde o último dia 10, a pesquisa foi encomendada pela Rede Bandeirantes. Foram ouvidas 700 pessoas, entre os dias 8 e 11 deste mês.

 No comparativo com a rodada passada, em janeiro, Wagner caiu três pontos (estava com 44%), Souto subiu de 29% para 32% e Geddel foi de 8% para 9%. Na visão do cientista político Joviniano Neto, os números do Vox Populi e de outros institutos mostram o governador tranquilo para ou ir para o segundo turno ou vencer logo na primeira rodada. “A dúvida, hoje, é se haverá ou não  segundo turno”, avalia. “O mais importante é a pesquisa espontânea, que mostra o voto já consolidado”.

 BIPOLARIZAÇÃO – Na opinião do cientista político Paulo Fábio Dantas, a sondagem indica na Bahia uma continuidade da tendência da campanha atual repetir 2006, que teve disputa bipolarizada, e não do cenário do pleito de 2008, em Salvador, com três candidaturas com reais chances de vitória.

 Joviniano Neto avalia que, entre os principais concorrentes, apenas o peemedebista Geddel Vieira Lima não tem o que comemorar. Segundo ele, apesar de estar atrás de Wagner, Paulo Souto conta com vantagens, como o recall de ter sido governador e o fato de integrar um grupo político que até 2006 era o mais forte na política baiana.

 O professor entende que o ex-ministro corre o risco de não ser identificado em nenhum dos dois pólos (do grupo do presidente Lula ou da oposição nacional). “O que resta a ele é fazer como está fazendo: viajar pela Bahia para disputar o voto interiorano”, ressalta. A diferença da votação entre a estimulada e a espontânea aponta o campo de eleitorado não consolidado, portanto são os votos passíveis de serem conquistados por estratégias como a do ex-ministro.

 Quadro não está consolidado

“O quadro ainda não está consolidado. Ainda nem começou a campanha”, adverte Paulo Fábio, para quem há uma continuidade nas pesquisa no sentido de um confronto entre Wagner e Souto em torno das eleições estaduais.

 A fim de chegar a um entendimento mais completo sobre o quadro baiano, Paulo Fábio espera sondagens para a eleição ao Senado, cujas chapas ainda nem estão completas.

  Novidade nesta rodada da pesquisa, o pré-candidato a governador pelo PV, Luiz Bassuma, aparece com 1% na estimulada, que registrou ainda 4 % de brancos e nulos e 13% dos eleitores indecisos. Na espontânea, o número de indecisos sobe significativamente – 64% não sabem ou não informaram.