No mês de abril foram criados 10.590 novos empregos com carteira assinada na Bahia. O resultado é o melhor da região Nordeste e o oitavo entre os estados brasileiros, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que divulgou mais um relatório na tarde desta segunda-feira (17).

Desta vez o destaque foi o setor agropecuário, com 3.510 contratações de saldo, a construção civil com 2.600, a indústria de transformação com 2.341 e os serviços com 1.436 novos postos de trabalho.

De janeiro a abril o estado registrou saldo de 41 mil novos contratados com carteira assinada. É o melhor início de ano do mercado de trabalho da Bahia desde a criação do Caged, em 1999. O secretário do Planejamento, Antônio Valença, afirmou que isso equivalente a 58% dos empregos gerados ano passado.

“Os números confirmam a excelente recuperação da economia baiana frente à crise econômica mundial e a eficiência das políticas públicas lideradas pelo Governo do Estado, com investimentos em infraestrutura, a exemplo da construção de estradas, escolas, hospitais e sistemas de abastecimento de água”, enfatizou Valença.

Em relação ao bom desempenho do setor agropecuário, o secretário destaca a aprovação da lei que possibilita ao agricultor familiar negociar dívidas com o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e a linha de crédito especial do BNDES, que viabilizou a safra de frutas 2009-2010 no Vale do São Francisco, beneficiando o setor, que passou a contratar mão-de-obra.

Além de investimentos em infraestrutura, o governo estadual tem investido na capacitação de trabalhadores. Em três anos foram implantados oito novos centros estaduais, 27 territoriais e 78 escolas de ensino médio, com Educação Profissional em diversas áreas, sempre respeitando a vocação econômica de cada região. Atualmente, 40 mil estudantes estão sendo preparados para a atividade profissional.

Recorde 

Nos últimos três anos e quatro meses o estado acumula saldo de 212 mil novos contratados com carteira assinada, resultado da soma dos 58.720 empregos criados em 2007, 40.922, em 2008, 71.170, em 2009, além dos 41 mil de 2010. Segundo o secretário do Trabalho, Nilton Vasconcelos, se mantiver a média o estado vai fechar o ano com um saldo recorde de empregos formais, batendo a meta inicial que era de 83 mil novas vagas.

“Já existem previsões do mercado financeiro que calculam crescimento de até 8% na economia brasileira, algo inédito nos últimos 20 anos. Numa taxa dessa o normal é que o número de empregos gerados seja bastante expressivo. Sendo assim podemos chegar à marca de 100 mil novos empregos na Bahia em 2010”, disse Vasconcelos.

Interiorização 

Os dados divulgados pelo Caged também mostram a descentralização da geração de empregos na Bahia. Das 10.590 novas vagas em abril, apenas 2.981 estão na capital, as outras ficaram espalhadas pelo estado. Teixeira de Freitas, no extremo sul, foi a segunda colocada, com saldo de 1.074 contratações, Juazeiro, no norte, registrou 852, Feira de Santana, na região central, teve 678 e Vitória da Conquista, no sudoeste, 654.

Segundo Nilton Vasconcelos, isso demonstra que existe homogeneidade na criação de empregos em todo o estado. “Já há um crescimento sustentável em várias frentes. Basta analisar o resultado por regiões e setores. Estamos satisfeitos, pois os dados refletem o sucesso das políticas públicas do estado”.

AGECOM/BA