Luisa Torreão l A TARDE

Lúcio Távora/Agência A TARDE

Vagner Pereira reclama de aviso de corte de energia após ter feito queixa na Coelba

Vagner Pereira reclama de aviso de corte de energia após ter feito queixa na Coelba

Encerrada a visita de fiscais à Coelba, na sexta-feira passada, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou nesta segunda-feira, 17, que tem um prazo regulamentar de 30 a 45 dias para concluir e apresentar o relatório da operação. Só então, representantes da agência irão se manifestar sobre as alterações verificadas nas contas de energia na Bahia.

A Coelba informou, por nota, que aguarda o relatório. De acordo com o promotor de Defesa do Consumidor Aurisvaldo Sampaio, o Ministério Público (MP) irá entrar em contato com a Aneel para cobrar uma resposta, uma vez que o prazo estipulado para isso venceu na semana passada. “Como não pediram prorrogação do prazo, estamos cobrando”, afirmou.

Cortes – Enquanto o problema envolvendo as cobranças não é elucidado, consumidores continuam reclamando. Nesta segunda, o comerciante Vagner da Conceição Pereira, 31 anos, foi até a agência da Praça da Sé para registrar queixa por uma ameaça de corte de energia, antes de receber resposta da Coelba à reclamação feita anteriormente por aumento na conta de abril.

Naquele mês, a fatura marcou R$ 142,39 (275 kwh).  A seguinte, com vencimento para 31 de maio, chegou ainda mais alta: R$ 306,96 (594 kwh). “Sendo que minha média, até fevereiro, era de R$ 80”, garantiu.

Segundo Vagner da Conceição Pereira,  um funcionário da empresa esteve na casa dele, no Tororó, pela manhã, em posse de uma carta de aviso do corte e com os instrumentos para desligar a rede.

“Ele já foi com o caminhão e tudo, mas eu não deixei ele cortar. Peguei a carta e vim direto registrar a queixa”, contou o consumidor.

Após enfrentar uma longa fila, o comerciante revelou, ainda, que a própria atendente da agência teria dito que os avisos de corte estavam sendo dados como uma forma de pressionar o consumidor, pois ninguém estava querendo pagar as contas.

Informada do protocolo e número de contrato de Vagner, a assessoria da Coelba esclareceu que não se tratava de aviso de corte, mas de aviso de cobrança.

Segundo a versão da empresa, o que aconteceu é que, diferente do que afirmou à equipe de reportagem, Vagner não teria registrado queixa anterior por aumento na fatura, o que ele contesta.

Ele também estaria com a conta de março em aberto, no valor de R$ 509 – o que Vagner alegou só ter obtido conhecimento ontem. “Esse valor é absurdo, não tem como eu pagar”, protestou.

Compromisso – Em nota oficial, a Coelba reafirmou o compromisso firmado com o MP: “Esclarecemos que o aviso de possibilidade de corte, emitido nas faturas de consumidores com contas em aberto, é uma mensagem-padrão. Pedimos aos consumidores com reclamações registradas na empresa sobre as contas de abril, que desconsiderem a referida mensagem.

Para os clientes que registrarem reclamações sobre contas emitidas em outros meses, a empresa aplicará os procedimentos normais de cobrança”.