Samuel Lima l A TARDE*

A delegada titular da Delegacia de Homicídios, Francineide Moura, desmentiu nesta quinta-feira, 13, a informação de que o avô da criança encontrada dentro de um Ecosport em condomínio na Paralela estaria preso na Unidade Especial Disciplinar (UED), em Mata Escura. A informação havia sido passada pelo Superintendente de Assuntos Penais da Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), Isidoro Orge. O suposto fato chegou a ser confirmado por parte da imprensa de Salvador.
Segundo Francineide, quem está preso na UED é, na verdade, o padrasto de Camila Pedreira Frias, de 21 anos, mãe do bebê R.P.F. O homem foi identificado pelo nome José Arnaldo. Segundo a delegada, ele está preso no complexo há cerca de três meses, por motivos ainda não divulgados. A delegada informou que dará uma entrevista coletiva à imprensa na manhã desta sexta, 14.

Uma das informações é a de que José Arnaldo sequer sabia que a enteada estava na Bahia – tanto ele quando Camila têm residência em São Paulo. O padrasto vive com a mãe de Camila há mais de 15 anos. O pai da moça, André Donizetti Frias, 41, é procurado pela polícia de São Paulo e tem diversas passagens pela polícia, desde 1989.

Com as informações divulgadas nesta quinta, o caso continua sem esclarecimento, já que a prisão de José Arnaldo a princípio nada tem a ver com o caso do abandono do bebê.

A polícia ainda tenta localizar Camila Frias. A delegada Francineide Moura pediu que as pessoas que tenham alguma informação sobre o caso liguem para o número (71) 3117-6110   (71) 3117-6110