do Bahia Notícias

A Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) adiou, mais uma vez, a votação do reajuste médio de 13,5% para a Polícia Militar. O projeto que deveria ser votado na terça-feira (4) da semana passada foi protelado para essa terça(11), entretanto não foi votado por não haver quórum suficiente. Um dos defensores da PM e representante da classe no parlamento baiano, deputado estadual Capitão Tadeu (PSB), afirma que a votação foi adiada, por duas vezes, para que o governo examinasse as 37 emendas apresentadas por ele. De acordo com o socialista, a proposta não atende às necessidades dos policiais. “Ainda está tudo do mesmo jeito. Apenas duas emendas foram sinalizadas”, concluiu. Questionado pelo Bahia Notícias sobre a incorporação de todas as emendas, o parlamentar não quis tecer comentários: “Prefiro não criar expectativa”.

Para oposição, governo quer despistar emendas

O deputado estadual Gaban (DEM) acredita que o reajuste da PM não foi votado em consequência da bancada do governo querer despistar as emendas ao projeto. “Eles estão desesperados. Não têm maioria e ainda não querem discutir a proposta. Nós não votaremos o projeto da PM do jeito que está”, afirmou o democrata. O petista Zé Neto (PT), saiu em defesa do governo, e afirmou que os projetos sempre são discutidos antes da votação. “Nós estamos fazendo o máximo para discutir com a categoria”, relatou. Indagado sobre a redução da bancada da situação no Parlamento, o legislador afirmou que o número de governistas não diminuiu. “Continua ‘tudo como antes no quartel de Abrantes’. Nós ainda temos maioria. O que aconteceu foi apenas a movimentação dos partidos, mas os parlamentares continuam conosco. Gaban deve estar delirando e ainda quer fazer o que não foi feito em 20 anos em apenas uma semana”, disparou.