Bruno Lousada, Sílvio Barsetti e Wagner Vilaron – O Estado de S.Paulo

A exemplo de alguns de seus antecessores, Dunga não deu ouvidos aos apelos populares pela convocação de Neymar. O jovem atacante do Santos não conquistou a confiança do técnico da seleção brasileira e fica fora da relação dos 23 jogadores que irão para a Copa do Mundo. O anúncio será feito hoje, pelo próprio treinador, às 13 horas, no Rio. No caso de Paulo Henrique Ganso, ainda existia, até o início da noite de ontem, uma remota expectativa de que o meia santista pudesse fazer parte da relação, até em razão dos incômodos que atormentam Kaká ao longo dessa temporada. Ganso, no caso, seria alternativa para a posição.

 A Fifa exige que a relação divulgada hoje traga 30 nomes. Além dos 23 convocados, outros sete entram como “extras”, ou seja, ficam à espera para o caso de ocorrer algum imprevisto, como lesões ou punições de última hora. Mudanças na lista podem ser feitas até 1.º de junho. Como a ideia da comissão técnica da seleção é evitar o clima de disputa entre os atletas, ficará claro, já na convocação, quem está no grupo e quem vai aguardar os acontecimentos. Assim, Dunga divulgará seu elenco, enquanto o site da entidade publicará, no meio da tarde, a relação dos sete que ficarão na fila de espera.

Ao longo das últimas semanas, Dunga se mostrou convicto de que não havia motivos para surpresas na convocação. A linha de raciocínio do treinador é simples: embora concorde que alguns jogadores – como Neymar e Ganso – passam por ótimo momento, a presença de um “estranho” no grupo, cuja base está solidificada há três anos e meio (desde a Copa América da Venezuela, em 2007), poderia trazer mais problemas do que soluções, uma vez que a relação entre os atletas é considerada uma das forças da equipe na Copa.

Como se não bastasse, Dunga e seu auxiliar, Jorginho, não se cansam de argumentar com amigos e pessoas próximas dentro da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) que a principal missão dessa comissão técnica ao assumir a seleção foi renovar o elenco e resgatar o sentimento de identidade entre os jogadores. Na opinião da dupla, tirar uma das peças que compõem esse grupo, nesse momento, poderia causar um mal-estar entre todos que roeram o osso juntos.

Na Vila Belmiro, o dia foi marcado por uma mistura de expectativa e resignação. Dirigentes aguardavam pela tradicional ligação que os clubes recebem nos dias que antecedem a divulgação da lista. “Não recebi ligação”, disse o presidente Luís Álvaro Ribeiro. “Estive com pessoas ligadas à CBF no sábado, mas ninguém falou nada sobre Ganso e Neymar. Achei melhor não perguntar.”