Lucas Frasão Do Globo Amazônia, em São Paulo

Representantes de organizações não governamentais e instituições de pesquisa de países amazônicos iniciam neste mês um esforço conjunto para tentar padronizar a forma como é feito o monitoramento, pelo terceiro setor, sobre desmatamento ilegal. Uma vez que o bioma amazônico transpõe fronteiras internacionais, a ideia é organizar estatísticas e constituir mapas que mostrem a situação do corte irregular de madeira nos nove países da Amazônia.

Coordenado no Brasil pelo Instituto Socioambiental (ISA) e pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), o projeto está em fase inicial e ainda define datas para os próximos encontros com representantes de outros países. Os organizadores estimam apresentar um resultado em 2011, mas isso vai depender de como o processo avançar em cada instituição participante.

 

saiba mais

  • Ópera multimídia sobre os ianomâmi estreia na Alemanha
  • Após 18 anos, governo libera retomada do garimpo em Serra Pelada, no Pará
  • Hidrelétricas no Pará inundarão área maior do que a da cidade de SP
  • Filhote de tucano ameaçado de extinção é resgatado no Pará
  • Cacique Raoni encontra Chirac em Paris para pedir apoio contra Belo Monte
  • No Pará, Lula anuncia programa para o cultivo de óleo de palma na Amazônia
  • Caminhonete com maca na caçamba é usada como ambulância no Acre

  • O desafio é complexo, segundo o pesquisador Carlos Souza Junior, do Imazon. “Se a gente trabalhar com metodologia homogênea, teremos um mapa completo da bacia amazônica. Hoje, o mapa é uma colcha de retalhos”, diz ele. Para padronizar as informações, os participantes terão de trabalhar para criar uma legenda útil a todos os países, que têm português, espanhol, francês e inglês como línguas oficiais.

    Outro agravante é que nem todos os países monitoram suas florestas com regularidade, como o Brasil. Um deles é a Venezuela, cujos dados sobre desmatamento são praticamente inexistentes.

    A primeira reunião internacional para discutir o assunto foi realizada em São Paulo de segunda (3) a quinta-feira (6) passada, com participantes do Brasil, Bolívia, Suriname, Venezuela, Colômbia e Peru, alguns dos membros da Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada (Raisg). Além da discussão de agenda para definir os próximos passos do projeto, o encontro promoveu um curso de capacitação técnica sobre processamento de imagens de satélite, com o objetivo de monitorar áreas de desmatamento.

    Coordenador de geoprocessamento do ISA, Cícero Cardoso Augusto esteve na reunião e informou que os países também devem lançar, em outubro, um mapa atualizado com dados de desmatamento e, em novembro, um atlas com mais informações a respeito do corte irregular de florestas na Amazônia.

    Foto: Imazon / Reprodução

    Mapa do desmatamento para março deste ano, em que o Imazon registrou 76 km² de áreas degradadas.  (Foto: Imazon / Reprodução)