Por Marcelo Brandão e Juscelino Souza, A Tarde

A Justiça solicitou o aprofundamento das investigações contra outros 27 policiais militares de Vitória da Conquista, suspeitos de envolvimento nos 11 assassinatos ocorridos em janeiro. O Ministério Público pediu a prisão de 37 PMs, como antecipou A TARDE, na edição de 10 de março. O juiz Reno Soares Viana decretou a temporária de apenas dez policiais e pediu mais diligências para os demais.

Além dos dez PMs que tiveram as prisões decretas, os promotores solicitaram a prisão dos outros 27 porque o nome deles foram citados por testemunhas como partícipes nos crimes. Os membros do MP alegam ainda que os 27 policiais retiraram armas do 9º Batalhão da Polícia Militar sem a autorização do comando, exatamente na noite em que ocorreram os crimes.

O magistrado entendeu que não havia indícios suficientes para decretar a medida cautelar contra os 27. O juiz alega que os nomes deles são mencionados pelas testemunhas esporadicamente.

Em relação às armas utilizadas pelos PMs sem autorização do comando, Reno Viana avaliou que apenas o uso indevido do armamento não é prova do cometimento dos homicídios. Mas o titular da Vara do Juri de Vitória da Conquista avalia que outras provas precisam ser produzidas para garantir que houve a participação deles nos crimes.

Mais respostas O juiz Reno Viana concluiu que não há provas nos autos que atestem a morte de três adolescentes sequestrados na madrugada do dia 29 de janeiro deste ano, quando ocorreu os crimes. No mandado de prisão, o magistrado questiona a investigação sobre o desaparecimento das três vítimas. “É preciso que a apuração dos fatos apresente resposta à pergunta que não quer calar: onde estão os adolescentes Mateus de Jesus Santos (14 anos), Vanessa Santos de Moraes (14) e Jocafre Marques Souza (17)”. Testemunhas relatam que o trio foi levado por homens encapuzados, alguns fardados de PM.

O magistrado argumenta que sem a localização dos corpos não existe homicídio.

Além dos três adolescentes desaparecidos e dos 11 assassinatos atribuídos aos PMs,os promotores de justiça ainda investigam se os assassinatos de Manuelito Cordeiro dos Santos e Joab Almeida Novais estão ligados à morte do soldado Marcelo Márcio.

Os promotores pediram a prisão dos 37 PMs, em março.

O juiz decretou as 10 prisões temporárias no dia 15 do mesmo mês.

As prisões ainda não tinham sido cumpridas pela dificuldade operacional das prisões e pela mudança no comando do MP baiano.