Lais Lis, do R7 em Brasília, com TV Record

Agência BrasilFoto por Agência Brasil

Delator do esquema de corrupção no Distrito Federal, Durval Barbosa
diz que petistas também estão envolvidos em irregularidades

O ex-secretário de Relações Institucionais do Distrito Federal e delator do suposto esquema “mensalão do DEM”, Durval Barbosa, disse em depoimento à Comissão de Ética da Câmara Legislativa do DF que o PT também teria envolvidos em supostas irregularidades no governo do DF. Durante o depoimento, dado à deputada Erika Kokay (PT), Barbosa afirmou que há “muitos pecadores” dentro do partido da deputada, inclusive no governo do ex-governador José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM), que é suspeito de chefiar um esquema de pagamento de propina a políticos aliados. Durval foi o autor das gravações que tornaram público o suposto esquema e conseguiu o benefício da delação premiada ao fazer as denúncias.

O ex-secretário prestou depoimento na última quinta-feira (29) à petista, relatora do processo por quebra de decoro contra a deputada Eurídes Brito (PMDB). Quando questionado pela deputada sobre quem seria o “pecador” do PT, o ex-secretário afirmou que falaria em outra oportunidade.

Barbosa ainda disse que o ex-presidente do Diretório Regional do PT no DF, Chico Vigilante, sabe do envolvimento de petistas e “saiu chorando” da casa do jornalista Edmilson Edson dos Santos, o Edson Sombra, após conversa sobre o assunto. O ex-secretário afirmou ainda que o petista “confia” nele e em Sombra.

Chico Vigilante disse ao R7 que já teve várias conversas com Sombra sobre o suposto esquema de corrupção no DF, mas que o jornalista, que é amigo de Barbosa, nunca citou ninguém do PT que estivesse envolvido no esquema.

– Se ele tivesse falado de alguém do PT eu seria o primeiro a denunciar e a pedir a expulsão da pessoa do partido. Eu desafio o senhor Durval Barbosa a indicar quem quer que seja do PT que tenha participado desse esquema de corrupção.

O ex-presidente do PT-DF afirmou ainda que nunca saiu chorando da casa de Sombra porque não se emociona com corrupção.

Procurado pela reportagem, Sombra afirmou que só falaria sobre o assunto após ter acesso ao depoimento do ex-secretário e depois de falar com Durval.

No mesmo depoimento, Durval afirmou que desviou um total de R$ 160 milhões desde novembro de 2002 dos cofres públicos e reafirmou que o esquema de pagamento de propina começou ainda no governo de Joaquim Roriz (PSC).

Leia trecho do depoimento em que Durval fala do envolvimento do PT:

Durval – Apoiei o Arruda.

Erika – O valor mensal…

Durval – Infelizmente.

Erika – Pois é. Eu não apoiei, não. Felizmente. Esse valor mensal de trinta mil reais que a deputada Eurides Brito…

Durval – Mas não se vanglorie muito, que têm pecados fortes dentro de seu partido, tá.

Erika – Meu partido?

Durval – Não se vanglorie muito. Cuide de você, porque você eu conheço. Você eu sei que… Você tem sua vida limpa. Eu inclusive andei mandando uns recados pra você, mas têm muitos pecados dentro do seu partido. Muitos. Inclusive nesse governo.

Erika – Nesse governo Arruda?

Durval – Positivo.

Erika – Mas quem é o pecador?

Durval – Em outra oportunidade, se eu tiver oportunidade. Não nessa.

Erika – Mas me fale um negócio. Olha que eu enfartei. Oh, esse…

Durval – Pergunte ao Chico. O Chico saiu lá do Sombra… chorando.

Erika – O Chico Vigilante?

Durval – Hum-hum.

Erika – Ele sabe dessa história.

Durval – Ele sabe. Ele confia em mim. Ele confia em mim. Ele confia no Sombra.