Redação CORREIO

Feira de Santana, a 108 quilômetros de Salvador, registrou 40 homicídios em abril, um recorde se comparado com as mesmas ocorrências registradas no mesmo mês dos últimos cinco anos. Com o assassinato do cabeleireiro Josecley de Oliveira Aragão, 25 anos, na noite de sexta- feira, a segunda maior cidade do estado alcançou a média de 1,3 morte por dia ligada a crimes. Josecley Aragão morava na rua Vila da Prata, no bairro Santo Antônio dos Prazeres, onde o homicídio aconteceu.

O corpo foi encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT). Abril foi o mês de maior índice de homicídios este ano em Feira de Santana. As estatísticas superaram as do mesmo período de 2009 quando aconteceram 29 assassinatos. Em 2008, o número foi bem menor: 17 homicídios. Em 2007 e 2006, o número de crimes chegou a 22 em cada ano.

Segundo o site Acorda Cidade, de Feira de Santana (www.acordacidade. com.br), todas as vítimas eram homens. Em 2010, o número de mortes violentas no município já chega a 148. Dos 40 assassinados de abril, quatro envolveram ex-presidiários ou sentenciados que cumpriam pena.

No dia 7, Dilmário Ribeiro Lopes foi executado com mais de 17 tiros em frente ao Conjunto Penal de Feira de Santana, onde cumpria o regime semiaberto. Após retornar à noite para dormir na unidade, foi morto por dois homens que estavam em uma motocicleta.

Já no dia 10, o ex-presidiário Luis Alberto Rodrigues Filho foi morto com vários tiros quando transitava pelo bairro Irmã Dulce e, no mesmo dia, Luciano Rosa Lisboa do Vale, também ex-presidiário, foi morto com vários tiros de pistola por dois homens numa motocicleta quando transitava no bairro Campo do Gado Novo. Ainda de acordo com o site, oito pessoas foram mortas por homens em motos.