O casal de missionários do PEM – Programa Esportivo Missionário – no Sul da Ásia, Martinho e Li, voltou ao campo após 10 meses no Brasil. Durante este período eles passaram por treinamentos e fizeram promoções nas igrejas.
Martinho começou sua obra missionária há cerca de 13 anos na China. Ele também passou pela Malásia, onde ficou durante 3 anos e grande parte do seu sustento vinha da Escolinha de Futebol. Segundo o Coordenador do PEM, há três missionários numa mesma cidade daquele campo; um é sustentado pelos batistas brasileiros e os outros dois são missionários fazedores de tendas. O objetivo de se enviar missionários à Malásia é para que eles se preparem na cultura, na língua e nas estratégias de evangelismo e possam seguir para outros campos da Ásia. Assim aconteceu com Martinho, que junto com sua esposa Li, se tornaram pioneiros formados na Malásia e enviados a outro país do continente. Para o lugar de Martinho, na Malásia, o PEM já enviou um casal missionário. Ainda neste ano, um casal de obreiros segue para o Timor-Leste e, mais tarde, outro ao Sul da Ásia.

A liderança do PEM lembra que, ao contrário do que muitas pessoas pensam, de que o missionário ligado aos esportes é alguém que não leva muito a sério o ministério, ou fez Educação Física porque não gostava de estudar, Martinho é formado em Teologia e tem sido usado tremendamente por Deus.

Durante o período de promoção, Martinho teve a oportunidade de visitar igrejas de diversas partes do país. Ele lembra que uma igreja no Piauí, por exemplo, fez uma Campanha de 40 dias por Missões, seus membros também jejuaram, fizeram vigília de oração e contribuíram financeiramente para a obra missionária. Ele agradece tanto à pessoa que fez uma adoção com R$ 5,00 quanto ao médico que adotou a missionária Sara Jane com U$ 350.00 após ouvir seu apelo durante um Conexão Missionária, em Goiânia, para que ela tivesse recursos suficientes para seguir ao campo, na Colômbia.

Neste início de adaptação ao novo campo, onde a temperatura está na casa dos 50º C, mais do que nunca Martinho e sua família contam com as orações dos batistas brasileiros, a fim de tudo o que aprenderam na Malásia possa ser aplicado junto àquele novo alvo missionário. Última Atualização ( 30 de abril de 2010 )

JMM