Nigéria – Os assassinatos de cristãos em Jos, Estado de Plateau, Nigéria, continuou durante o fim de semana com a morte de dois jornalistas e cinco civis.
Nathan S. Dabak, editor assistente de um jornal da Igreja de Cristo na Nigéria (COCIN), chamado The Light Bearer, e Sunday Gyang Bwede, repórter da publicação, foram esfaqueados no sábado, 24 de abril, em Gado-Bako, Norte de Jos.
“A equipe da Igreja foi assassinada a sangue frio por alguns jovens muçulmanos. Isso está claro porque eles usaram os celulares dos jornalistas e divulgando que foram eles quem cometeram o assassinato”, conta o pastor Pandang Yamsat, presidente da COCIN.

Os jovens muçulmanos atenderam os telefonemas nos celulares dos jornalistas descaradamente. Quando um amigo de Dabak ligou, alguém atendeu ao telefone e disse: “Nós os matamos – pode se lamentar!”.

Dabak, de 36 anos, e Bwede, de 39, saíram do escritório no domingo pela manhã e se dirigiam para uma entrevista a um político local, Bulus Kaze, quando se depararam com os jovens muçulmanos.

A Igreja iniciou as buscas pelos jornalistas no mesmo dia, mas não encontraram seus corpos até o meio-dia de domingo no necrotério do Hospital Universitário de Jos. O pastor afirma que a Igreja estava ansiosa, esperando pelos resultados da investigação policial.

“A equipe de segurança da igreja está em contato com a polícia, mas eles ainda não tiveram nenhum progresso.”

O funeral dos jornalistas está marcado para sexta-feira, 30 de abril.

“A Igreja ainda está lamentando a morte de nossos pastores, mortos em Boto, Estado de Bauchi”, diz Pandang, fazendo referência ao sequestro e assassinato do pastor Ishaku Kadah, 48, e sua esposa Selina, 45. “É muito triste que os membros da igreja tenham que enfrentar outro assassinato”.
Tradução: Missão Portas Abertas