Com uma vitória sobre o rival Atlético Paranaense por 1 a 0, no Estádio Couto Pereira, o Coritiba conseguiu por antecipação conquistar seu 34ª título do Campeonato Paranaense. Abrindo quatro pontos de vantagem em relação ao Atlético-PR, faltando apenas uma rodada para o fim da competição, o clube apagou parte da imagem negativa do ano do Centenário, deixando o Alto da Glória com a tão sonhada taça nas mãos.
Autor de gols decisivos para o Coritiba, Marcos Aurélio, ex-atleta do rival, voltou a aparecer como candidato a herói aos cinco minutos da segunda etapa. Depois de uma tabela com Rafinha, o atacante bateu forte para estufar as redes. Aos 29 minutos, Geraldo, que havia acabado de entrar, penetrou na zaga e chutou para o gol para fechar a contagem e garantir a conquista.
Na próxima rodada, o Coritiba enfrenta o Cascavel para cumprir tabela, domingo, no Estádio Major Antônio Couto Pereira. Já o Atlético Paranaense, que também já não briga por mais nada na competição, encara o Iraty, que está de olho na terceira colocação, no mesmo dia, na Arena da Baixada.

O jogo
O técnico Leandro Niehues surpreendeu, colocando Valencia como ala, Vanegas no lugar do lesionado Rhodolfo e Alex Mineiro como titular, após mais de cinco meses longe dos gramados. O Coritiba iniciou tentando manter a posse de bola mas sem ofensividade. Aos quatro minutos, Alex Mineiro se preparou para receber cruzamento, mas foi travado. Aos seis minutos, Manoel arriscou de longe e a bola saiu pela linha de fundo.

O Atlético-PR surpreendia em campo com sua postura ofensiva, mesmo com jogadores deslocados. Aos nove minutos, Paulo Baier cobrou escanteio, a bola fez uma curva incrível e bateu no travessão antes de sair. Aos 14 minutos, Ariel tentou desviar uma bola perdida, de cabeça, mas sem sucesso Aos 18 minutos, Marcos Aurélio cobrou falta, nas mãos de Neto. Na resposta, Alex Mineiro recebeu de Tartá e bateu forte para defesa de Edson Bastos, que cedeu escanteio.

Os atleticanos estavam soltos em campo, enquanto o Coritiba parecia perdido no meio campo. Porém, quase abriu o placar, aos 26 minutos, com Lucas Mendes que, com liberdade, cabeceou errado, no chão. O lance acordou o Coritiba que chegou novamente aos 27 minutos, com uma bomba de Ariel para fora. Os donos da casa passaram a dominar e, Rafinha, aos 34 minutos, perdeu mais um gol. De voleio, aos 41 minutos, Baier tentou o golaço e Edson Bastos apareceu para salvar.

Na segunda etapa, a primeira chance foi para o Coritiba, em um lance bizarro. Neto tentou sair jogando, a bola bateu no rosto de Manoel e saiu para escanteio. Mas, cós cinco minutos, a bola foi para as redes. Marcos Aurélio tabelou com Rafinha e, da entrada da área, abriu o placar com um belo gol. Aos sete minutos, Tatá bateu de frente para o gol e Edson Bastos fez um milagre no Alto da Glória.

O jogo ganhou em emoção, com as duas equipes partindo para o ataque. Aos oito minutos, Ariel tentou um voleio, sem direção. Aos nove minutos ao argentino fuzilou para grande intervenção de Neto. Aos 13 minutos, Alex Mineiro foi lançado, mas não tinha mais perna para alcançar a bola. Aos 17 minutos, Marcos Aurélio arriscou e o goleiro atleticano defendeu, sem rebote.

Os treinadores mexeram nas equipes, tentando suas últimas cartadas nos minutos finais do clássico. A mexida do Coritiba deu certo. Aos 29 minutos, Geraldo entrou na área fintando a zaga, e tocou na sápida do goleiro para ampliar. Aos 35 minutos, Edson Bastos deixou a meta para interceptar cruzamento de Wallyson. Aos 41 minutos, Paulo Baier cobrou falta e Edson Bastos defendeu e dois tempos. A torcida só precisou esperar somente até os 47 minutos para voltar a gritar ‘é campeão’.

Terra