Médicos residentes paralisaram as atividades em 13 Estados do País nesta quarta-feira, 14. Eles exigem reajuste imediato da bolsa para a categoria, 13ª bolsa, reajuste anual e licença maternidade de seis meses.

Os residentes também reivindicam garantia de pagamento de auxílio moradia e alimentação e cumprimento da jornada de 60 horas semanais. Ainda segundo a Associação Nacional dos Médicos Residentes, a paralisação é apenas um alerta, mas se não houver acordo, a categoria pode entrar em greve por tempo indeterminado.

As manifestações da categoria estão programadas para São Paulo, Amazonas, Bahia, Alagoas, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Maranhão, Pará, Paraíba, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Ceará e Santa Catarina. Os protestos acontecem conforme a determinação de cada Estado.

Na terça-feira, 13, a paralisação aconteceu no Rio Grande do Sul e na quinta-feira, 15, deve ocorrer em Minas, Mato Grosso, Acre e Piauí, segundo a Associação Nacional de Médicos Residentes.

Cerca de 250 médicos residentes realizam uma manifestação na manhã desta quarta-feira, 14, no vão livre do Masp, na Avenida Paulista, centro de São Paulo.

Estadão