Em quase duas horas de exposição ontem na Assembleia Legislativa, o secretário estadual da Saúde, Jorge Solla, apresentou números que mostram a evolução da Bahia neste setor. Segundo ele, entre 2007 e 2009, houve melhoras em praticamente todos os indicadores de saúde, além da significativa ampliação dos investimentos do governo na área.
“Em três anos, os investimentos anuais na saúde saltaram de R$ 1,8 bilhão para R$ 2,9 bilhões”, afirmou. Solla esteve na Assembleia para participar de uma reunião extraordinária da Comissão de Saúde e Saneamento, presidida pelo deputado Álvaro Gomes (PC do B). O encontro, realizado no auditório do Memorial do Legislativo, no Palácio Luís Eduardo Magalhães, contou com a presença de dezenas de parlamentares, além de um grande número de funcionários da própria Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). 

Os deputados da bancada de oposição da AL viram com ceticismo os dados apresentados por Jorge Solla. “Pelo que foi apresentado aqui não temos problemas de meningite e não temos pessoas morrendo indevidamente em filas à espera de atendimento”, afirmou o deputado Gaban.

O deputado Sandro Régis (PR) ironizou: “Acho que todo mundo que tem plano de saúde deveria cancelar, já que a saúde pública na Bahia vai tão bem.” Já o líder da bancada de oposição, deputado Heraldo Rocha (DEM), pediu uma cópia do relatório exposto por Solla para que sua assessoria possa analisar.

No final da reunião extraordinária, que começou às 11h30 da manhã, houve uma polêmica. Enquanto Solla respondia as questões levantadas pelos deputados, Gaban e o líder da oposição, deputado Heraldo Rocha (DEM), pediram questão de ordem para afirmar que, pelo horário regimental (às 14h30), a reunião deveria ser encerrada imediatamente. O presidente da sessão, Álvaro Gomes, queria que Solla concluísse sua argumentação. O debate se transformou em bate-boca e a sessão foi encerrada em meio às discussões.

LICITAÇÃO

Já o deputado Gaban afirmou, durante a reunião, que a Sesab foi obrigada a suspender, pela própria Procuradoria-Geral do Estado (PGE), o processo de licitação para construção do Hospital de Seabra, na região da Chapada Diamantina. Em resposta, Solla disse que o hospital será construído. E que o antigo projeto era mais rápido, barato e resoluto só que foi impedido porque a bancada de oposição abriu uma disputa judicial. “Por isso, resolvemos fazer uma licitação para construção do hospital, outra para os equipamentos e assim por diante.”
Assessoria do Deputado João Bacelar