A oposição classificou  como uma farsa o lançamento da nova edição do Programa de Aceleração do Crescimento, o chamado PAC-2. Em nota conjunta, PSDB, DEM e PPS denunciaram o caráter eleitoreiro do anúncio de investimentos estimados em R$ 1,59 trilhão, que teriam como objetivo principal turbinar a candidatura da petista Dilma Rousseff à sucessão presidencial. Os três partidos lembraram ainda que pelo menos 54% das obras incluídas no PAC-1 sequer saíram do papel e apenas 11% foram concluídas. A ideia dos tucanos, por exemplo, é explorar isso durante a campanha eleitoral.
“O PAC-2 representa mais promessas de obras que não serão realizadas ou ficarão inacabadas. Trata-se de uma grande fraude que será demonstrada na campanha, quando pretendemos mostrar as obras atrasadas, as que não saíram do papel e as que têm problemas segundo levantamento do Tribunal de Contas da União – afirmou o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE).
No mesmo tom, o presidente nacional do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), condenou a tentativa do presidente Lula de definir o programa de governo de seu sucessor: – O governo não conseguiu terminar o PAC-1 e já lança o 2. Parece filme de comédia e mostra que este governo não tem gestão, só pensa em eleição.