BRASÍLIA – O advogado da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop), Dalmo Dallari, confirmou nesta terça-feira que vai tomar medidas contra o promotor José Carlos Blat, responsável pelo inquérito que apura supostos desvios de dinheiro na cooperativa para financiar campanhas do PT. Uma representação será apresentada ao Conselho Nacional ou ao Conselho Superior do Ministério Público, denunciando supostas irregularidades na condução do caso. Segundo ele, o promotor vem acusando os dirigentes da entidade de criminosos desde 2008, inclusive em entrevistas à imprensa, mas não os convoca a prestar depoimentos, tampouco oferece denúncia à Justiça.

 – Significa que ele não tem convicção do que diz ou está prevaricando – afirmou, após depoimento no Senado, acrescentando que as declarações têm agravado a crise financeira na Bancoop.

 O tesoureiro do PT e ex-presidente da cooperativa, João Vaccari, negou superfaturamento em obras e desvios de recursos para financiamento de campanhas.

 – Não houve superfaturamento em nenhuma hipótese. Não houve contribuições a partidos políticos.

Ele afirmou que 5.609 unidades habitacionais foram entregues e “apenas” 592 estão pendentes, devido ao desequilíbrio financeiro da entidade. Porém, na maioria dos casos haveria negociação para a solução do impasse com os clientes. Vaccari alegou que, sanados os problemas, a Bancoop deve continuar construindo apartamentos:

– Não sou mais o presidente da Bancoop, mas, com certeza, a expectativa que há por parte dos cooperados é de que se façam os lançamentos e continuem construindo (as unidades) a preço de custo, aprendendo com os erros que foram cometidos no passado.

O Globo