Uma semana depois de multado em R$ 5 mil pelo Tribunal Superior Eleitoral, o presidente Lula foi de novo punido ontem. O motivo foi o mesmo: propaganda eleitoral antecipada em favor da ministra Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à Presidência. O valor da multa, porém, dobrou: R$ 10 mil. Horas antes, em Osasco, Lula ironizara a punição anterior.

 

No início da noite, a pedido dos partidos de oposição, o plenário do TSE decidiu multar o presidente em R$ 10 mil. Os ministros entenderam que ele fez propaganda dissimulada pró-Dilma durante inauguração do Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados de São Paulo em janeiro.

“Então, eu penso que a cara do Brasil vai mudar muito. E quem vier depois de mim – e eu, por questões legais, não posso dizer quem é; espero que vocês adivinhem, espero -, quem vier depois de mim já vai encontrar um programa pronto, com dinheiro no Orçamento, porque eu estou fazendo o PAC 2 porque eu preciso colocar dinheiro no Orçamento para 2011, para que as pessoas comecem a trabalhar”, disse Lula na ocasião.

Virada. O julgamento de ontem chegou a ficar em 4 votos a 0, mas o voto do ministro Félix Fischer, que apresentou razões para embasar a interpretação de campanha antecipada, levou o presidente da corte, ministro Ayres Britto a retificar seu voto e comandar uma virada no placar. “Quem fica mais perto da lareira se aquece melhor”, comparou Ayres Britto, ao avaliar que o candidato apoiado por quem está no poder tem vantagens. O julgamento terminou em 4 votos a 3 pela punição de Lula. O TSE rejeitou, porém, o pedido para que Dilma também fosse punida.

O ministro Arnaldo Versiani comentou que quase todas as semanas têm sido feitos discursos com as mesmas características. “Isso vem me preocupando bastante”, afirmou.

De fato, o TSE ainda precisa julgar mais três representações de teor semelhante contra Lula. Na primeira delas, o presidente é acusado pelo PPS de ter apresentado Dilma como sua candidata em setembro de 2009 em Fortaleza. Na segunda, a oposição afirma que Lula usou expressões como “minha candidata” e “mãe do PAC” durante viagem para visitar as obras de transposição do Rio São Francisco, em outubro de 2009. Na última delas, o alvo é a inauguração de um prédio de universidade no Vale do Jequitinhonha.

De novo. Ontem em Osasco, na Grande São Paulo, o presidente voltou a incitar a plateia a gritar o nome de Dilma, durante ato para entrega de moradias do PAC. E ironizou a multa que recebeu na semana passada.

“Eu não posso falar em nomes porque já fui multado pela Justiça Eleitoral em R$ 5 mil, porque disseram que eu falei o nome de uma pessoa”, reclamou. As cerca de 500 pessoas que assistiam ao ato e até então ouviam silenciosamente entenderam o recado e começaram a gritar o nome de Dilma. “Se eu for multado vou trazer a conta para você”, brincou Lula.

Na mesma solenidade, Dilma fez discurso de candidata. “Nós vamos continuar fazendo habitação, casas, lares aqui em Osasco para vocês”, disse.

Estadão