Ladrões levaram imagens antigas e valiosas da igreja

Ladrões levaram imagens antigas e valiosas da igreja

Trinta e quatro das 41 imagens, peças e objetos valiosos da Igreja de São Lourenço – construída em 1610 e que faz parte do conjunto histórico de Itaparica (a 59 km de Salvador) – foram roubadas na madrugada da última quinta-feira, 18. Uma das peças levadas pelos ladrões foi a imagem de São Elesbão, talhada em madeira, com 70 centímetros de altura, considerada uma relíquia e de valor histórico por ser a única que existe no Brasil.

Foram levados também um cálice dourado com a patena; um ostensório; duas âmbulas douradas; um crucifixo de madeira; um cajado do Menino Jesus e as imagens de São Francisco, Nossa Senhora da Conceição, Senhor do Bonfim e Nossa Senhora do Rosário, entre outras. As imagens, dos séculos XVII e XVIII, são consideradas valiosas. O roubo na igreja só foi percebido quando os fiéis entraram no templo para a adoração ao santíssimo, por volta das 18 horas do mesmo dia.

Cleuza Maria dos Santos é a zeladora do templo. Ela foi a primeira a observar a ausência das imagens.  “Não vi a porta arrombada. Quando olhei para o altar, não vi as imagens e estava tudo revirado”, contou. Há suspeitas de que um dos ladrões tenha assistido a missa na quarta-feira à noite e dormido na igreja. Na madrugada, ele teria aberto a porta lateral do templo por dentro para facilitar a entrada dos demais.

Especializados – A Polícia Federal e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) foram acionados. “Por segurança, a Polícia Federal pediu para que ninguém entrasse na igreja. Sou o responsável e meu sentimento é de muita tristeza. É como se eu perdesse algo muito pessoal e importante”, ressaltou o padre João Eduardo de Souza Paiva, pároco da igreja  há três anos.

O padre suspeita da ação de uma quadrilha especializada. “Não roubaram um aparelho de som e um freezer novinhos que estavam na sala das imagens, nem microfone ou outros objetos. As imagens grandes também foram deixadas para trás. Só levaram as mais valiosas. Por isso, achamos que eles sabiam o que estavam roubando”, salientou o religioso.

Insegurança – O Recôncavo baiano, com várias fazendas e igrejas históricas, muitas delas abandonadas ou com segurança precária, pode ter se tornado alvo preferencial de quadrilhas.  Muitos dos responsáveis pelas igrejas sequer sabem o valor das peças sob a guarda deles, e não têm a quem recorrer para aumentar a segurança nos locais.  De acordo com o Iphan, um técnico de bens móveis (imagens, altares) e um arquiteto que cuida da parte dos bens imóveis foram enviados para Itaparica. Eles farão um levantamento do que foi roubado da Igreja de São Lourenço.

“A igreja e todo seu acervo são tombados. Vamos fazer o levantamento das peças e objetos roubados. A Polícia Federal fará a vistoria e uma perícia no local e ficará responsável pela investigação. Temos um inventário da igreja que servirá para levantar o que foi levado e o que restou”, informou Mateus Morbeck, da Superintendência do Iphan na Bahia. 

A Polícia Federal, por meio da Interpol, em parceria com o Iphan, realiza uma ação na busca por bens culturais tombados que são roubados, furtados ou desaparecidos. De acordo com Morbeck, as peças serão catalogadas e disponibilizadas no site do órgão. “A Interpol também foi acionada para que essas imagens não saiam do País ou possam ser vendidas”.

A ação dos bandidos deixou um rastro de destruição e indignação. “Reviraram tudo. Abriram os armários e caixas e jogaram no chão”, disse a aposentada Cassimélia Pedreira da Costa, 84.  Ela conhece a história de parte do acervo da igreja. Segundo ela, São Elesbão é o protetor dos desabrigados. “As pessoas desabrigadas o invocam para conseguir uma moradia e, quando recebem a dádiva, oferecem uma casa em miniatura ao santo”, contou.

A Tarde