Um criador amadorista de pássaros silvestres, que não teve o nome divulgado, foi detido e conduzido nessa quinta-feira, 4, ao presídio regional de Vitória da Conquista, a 509 km de Salvador, após ser flagrado com três anilhas adulteradas e 11 pássaros sem registro no Instituto Brasileiro do meio Ambiente (IBAMA).

O flagrante foi feito por agentes do Escritório Regional do Ibama (Esreg), durante a “Operação Roleta Russa”, deflagrada esta semana com o objetivo de vistoriar criadores amadoristas registrados no órgão.

As anilhas servem como meio de identificar aves registradas. Os pássaros foram encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) para avaliação veterinária e posterior soltura, enquanto o acusado foi levado ao presídio por agente da Polícia Federal.

Governo – A anilha é distribuída e controlada pelo Governo Federal por meio do Ibama. A chefe do Escritório regional, Andrea da Mata Lula, explica que adulterar ou falsificar a anilha é crime federal. “Além disso, o criminoso responde por prática de crime ambiental e processo administrativo instaurado pelo Ibama, com multa de R$ 5,5 mil”, completa, após lembrar que a operação prossegue e outros criadores poderão ser autuados, caso não comprovem sua regularidade.

Andrea lembra que não basta o criador amadorista estar registrado no Ibama. “É necessário seguir as normas de criação. Quem adultera, falsifica, repassa ou utiliza anilhas de outro criador pode ser preso por violação, adulteração ou ainda falsidade ideológica, além do crime ambiental”, finalizou.
ATarde