O Ministério Público Federal (MPF) instaurou inquérito para investigar a participação de três policiais rodoviários federais na operação que resultou na morte de 14 pessoas e no desaparecimento de outras três. A ação ocorreu em represália à morte do soldado PM Marcelo Márcio Silva Lima, 32 anos, no dia 28 de janeiro, em Vitória da Conquista (a 509 da capital).

Os três policiais rodoviários são considerados suspeitos porque realizaram diligências em dois bairros da cidade, em conjunto com a Polícia Militar, na noite em que ocorreu o assassinato do soldado e a maior parte dos 14 homicídios. O inspetor Jorge Chagas, chefe da delegacia da Polícia Rodoviária Federal (PRF) local, disse que os subordinados “agiram dentro da legalidade e não participaram de atos criminosos”.

Os policiais rodoviários foram interrogados pelos promotores da força-tarefa do Ministério Público (MP) estadual, mas a reportagem não teve acesso ao conteúdo das oitivas nem conseguiu obter os nomes dos suspeitos. Apurações realizadas pelo inspetor Chagas também foram encaminhadas à Corregedoria da Superintendência da PRF, em Salvador.

O procurador da República de Vitória da Conquista Mário Alves Medeiros, junto com o chefe do MPF da Bahia, o procurador Danilo Pinheiro Dias, determinaram a instauração do Inquérito Civil Público número 08/2010, depois que foram informados por reportagem de A TARDE da participação de policiais rodoviários na operação.

“Considerando as notícias de envolvimento de policiais rodoviários federais nos lamentáveis fatos, resolvo instaurar inquérito civil público, com objetivo de verificar a legalidade das ações policiais, eventuais abusos e desrespeitos a direitos humanos”, informa um trecho da portaria que instituiu o inquérito no dia 2 de fevereiro.

O documento também determina outras investigações, relativas às violações de direitos humanos, à atuação de outras forças policiais, além de ordenar a imediata comunicação do inquérito às autoridades policiais, ministeriais e governo do Estado.

Ocorrência – No registro de ocorrência da delegacia da PRF de Conquista, os policiais rodoviários contaram que foram acionados pela PM, por volta das 22h do dia 28 de janeiro. Ainda de acordo com o boletim, PMs solicitaram ajuda, informando que três ou quatro homens tinham baleado dois policiais e poderiam fugir pela BR-116, área de atuação da PRF.

Composta por dois policiais rodoviários, a equipe 4 da unidade deslocou-se até o Km-29 da BR-116 (Rio-Bahia), próximo ao Alto de Conquista, onde o PM Marcelo Márcio foi baleado. Eles pediram apoio pelo rádio e outra equipe da PRF também se dirigiu à localidade.

Em seguida, a equipe 4 teria saído da localidade para atender uma outra ocorrência, enquanto a equipe de número 1, composta por três policiais rodoviários, realizou buscas nos bairros da Patagônia e do Alto da Colina, próximos ao local onde ocorreu o ataque aos PMs. Os bairros também ficam à margem da BR-116.