A Seleção venceu a Irlanda por 2 a 0 nesta terça-feira, no Emirates Stadium, em Londres. Este foi o último amistoso do Brasil antes da convocação oficial para a Copa do Mundo da África do Sul.

Após um primeiro tempo truncado, o Brasil dominou todo o segundo tempo. Na entrevista coletiva após o jogo, o técnico Dunga disse que os jogadores tiveram chances para se garantir no grupo do Mundial.

Confira como os atletas foram contra a Irlanda:

Julio César – Seguro, como sempre. Salvou a Seleção na primeira etapa, ao defender um cabeceio quase na pequena área de Doyle. É o camisa 1 de Dunga na Copa.

Maicon – Com preparo físico excelente, mostrou força na marcação e no apoio, no qual chegou muitas vezes à linha de fundo.

Lúcio – Capitão do time, mostrou raça, como sempre. Foi seguro nos desarmes e soberano nas bolas aéreas.

Juan – Voltou a atuar pelo Brasil após período lesionado. Seguro. É nome garantido entre os 23.

 Michel Bastos – Foi um dos jogadores mais observados por Dunga. Teve uma partida irregular, sem comprometer. Mostrou um pouco de desentrosamento com Robinho e falhas de marcação. Tem boas chances de ser titular na Copa.

 Gilberto Silva – Atuou quase como zagueiro, junto com Lúcio e Juan. É nome de confiança de Dunga.

 Felipe Melo – Bem na marcação, iniciou o contra-ataque para o primeiro gol brasileiro.

 Ramires – Volante de origem, acabou escalado como terceiro homem, com liberdade para chegar à frente. O que não o impediu de marcar com o rigor exigido por Dunga. Mesmo assim, teve dificuldades para superar a marcação irlandesa.

 Kaká – Apagado no primeiro tempo, cresceu de rendimento na segunda etapa. Participou da triangulação para o gol de Robinho.

 Robinho – Participou dos dois gols. No primeiro, contou com a sorte: em impedimento, cruzou com força e viu o volante Andrews colocar a bola para dentro. Errou um gol sozinho, em passe de Kaká, antes de marcar o segundo. Foi o principal nome do jogo.

 Adriano – Teve uma cobrança de falta espalmada pelo goleiro, e só. Não conseguiu vencer a marcação irlandesa. Saiu para a entrada de Grafite.

 Grafite – Entrou no segundo tempo e, com um toque de calcanhar, permitiu a Robinho marcar um golaço. Ainda chutou com perigo em duas vezes, em rendimento muito melhor que o de Adriano. Admitiu que corre por fora na disputa por vaga entre os 23 da Copa.

 Nilmar – Em menos de 15 minutos, chutou uma vez. Tem crédito com Dunga pelos serviços prestados nas Eliminatórias e, portanto, estará na Copa.

 Carlos Eduardo – Reserva da lista de Dunga, teve boa movimentação em nove minutos, quando a Irlanda já havia desistido do jogo. Dificilmente irá para a Copa.

 Daniel Alves – Entrou no lugar de Ramires e colocou fogo na partida. Na primeira participação, perdeu um gol feito após se livrar do goleiro. No final, foi deslocado para a lateral. É o jogador coringa de Dunga para o Mundial.

 Luisão – Entrou no lugar de Juan, quando a Seleção dominava a partida. Foi pouco exigido, mas está garantido.

 Zero Hora